Decisão judicial reduz a conta de energia dos consumidores Paranaenses.

Em 10 de julho de 2020 a Companhia Paranaense de Energia (COPEL) anunciou que venceu uma ação impetrada em 2009, que tinha como objetivo desobrigar a empresa a recolher PIS e COFINS sobre o ICMS.

O argumento apresentado pela COPEL no processo judicial foi que o ICMS é receita do estado, e como o PIS e Cofins devem incidir sobre a receita da companhia, não poderiam incluir o ICMS em sua base de cálculo.

A COPEL divulgou em seu portal que a redução média nas tarifas de energia será de 3,8%, passando a valer a partir de julho de 2020.

Além da Concessionaria paranaense outras empresas de distribuição, de diversos estados, impetraram  ações semelhantes na justiça, com a grande maioria aguardando decisão do Superior Tribunal de Justiça.

Mesmo sendo favorável aos consumidores, a demora de quase uma década para a decisão definitiva traz a tona alguns dos grandes obstáculos para o desenvolvimento do setor elétrico brasileiro, a  judicialização e a morosidade do sistema judiciário.

fonte: https://www.copel.com/hpcweb/copel-ganha-acao-judicial-que-reduzira-tarifa-de-energia

ANEEL autoriza reajuste das tarifas de energia elétrica da COPEL Distribuição

No dia 23 de junho de 2020, a Agencia Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) autorizou o reajuste das tarifas de energia e distribuição da principal distribuidora de energia do Estado do Paraná – COPEL, os novos valores estão vigentes desde 23 de junho de 2020.

É importante observar que apesar do aumento das tarifas de utilização do sistema de distribuição (TUSD), as tarifas de energia (TE) diminuíram, a redução se deve principalmente a aplicação da Resolução Normativa 885/20 da ANEEL conhecida como Conta Covid, que visa diluir o custo da energia adquirida pelas concessionárias em até 5 anos, criando assim um menor impacto nos reajustes.

A tabela abaixo mostra as tarifas dos consumidores do grupo A4, modalidades Verde e Azul , no qual se enquadra a grande maioria das empresas de médio porte.

Já a tabela a seguir mostra o impacto das novas tarifas para consumidor residencial convencional (B1) para o qual o custo global da energia teve uma redução 0,94%.

Fonte de dados: ANEEL

Quer saber exatamente como a sua empresa será afetada pelas novas tarifas? 

Envie a cópia da última fatura de energia para efienergy@efienergy.com.br e retornaremos com o impacto para sua empresa, e não se preocupe não haverá nenhum custo para esta análise.

Bandeira Tarifária Verde até Dezembro

Em reunião publica realizada no dia 26/05/2020 a diretoria da Agencia Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), anunciou que a bandeira tarifária verde sera mantida até dezembro de 2020. Segundo a ANEEL a medida tem o objetivo de diminuir os gastos dos consumidores e auxiliar o setor elétrico durante a  crise do Covid-19.

Alem das análises técnicas e a consulta publica realizada entre 12/03 e 27/04 a ANEEL aponta a redução de carga projetada para os próximos meses como fundamentos para a decisão.

Fonte: aneel.gov.br acessado em 27/05/2020

Palestra sobre Eficiência Energética na UNIBRASIL

O Sócio Diretor da Efi Energy Engenharia o Eng. Paulo César dos Santos ministrou uma palestra sobre eficiência energética na universidade UNIBrasil . O evento ocorreu em Curitiba no dia 22/10 e contou com a participação de mais de quarenta pessoas entre estudantes e professores do curso de Engenharia Elétrica.

“Foi muito gratificante a palestra do Paulo no evento que tivemos na Unibrasil (EVINCI – Evento de iniciação Científica). Oportunidade em que podemos adquirir grandes conhecimentos e agregando na formação de nossos futuros engenheiros para um mundo melhor e sustentável”, afirmou  Marcio Noris, professor do curso de engenharia elétrica e organizador do evento.

Em agosto, energia mais cara com bandeira tarifária vermelha.

Em 26/07/2019 a Agência nacional de energia elétrica (ANEEL) anunciou a aplicação da bandeira tarifária vermelha no mês de agosto, gerando um custo extra de R$4,00 para cada 100 kWh.

Segundo a ANEEL, a plicação da bandeira tarifária vermelha ocorre devido aos baixos níveis dos principais reservatórios do país e às previsões hidrológicas que apontam vazões abaixo da média histórica.

De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico, o sub sistema Sudeste/Centro Oeste apresenta o nível mais baixo (44,84%).

Dados: aneel.gov.br em 02/08/2019 e ons.org.br em 02/08/2019.

Reajuste da Energia na Copel fica acima de 15 % em 2018

O reajuste tarifário da Copel Distribuição foi aprovado no dia 19/06/2018 pela ANEEL e passa a vigorar a partir de 24/06/2018.

O percentual do reajuste médio será de 15,99 %, sendo que para os grandes consumidores que são atendidos em alta tensão (indústrias, grandes comércios, clubes, universidades, etc) o reajuste médio será de 17,55 %, já para os consumidores que são atendidos em baixa tensão (residências e pequenos comércios) o reajuste médio será de 15,13 %.

Segundo dados do IBGE a inflação (IPCA) acumulada nos últimos 12 meses ficou em 2,76 %, ou seja, bem abaixo do reajuste da energia.

Segundo a ANEEL, para o cálculo do reajuste a Agência considera a variação de custos associados a prestação do serviço, aquisição e a transmissão de energia elétrica, bem como os encargos setoriais.

Para as indústrias, a solução para evitar estes reajustes altos na energia é aderir ao Mercado Livre de Energia clique aqui para entender como funciona e solicite uma avaliação sem custos pelo e-mail efienergy@efienergy.com.br.

O que é Tarifa Branca e quais o benefícios da mudança

A tarifa branca é a nova opção de tarifação de energia elétrica para consumidores de baixa tensão, que diferencia o valor unitário da energia (R$/kWh) de acordo com o horário de utilização.

A partir de janeiro de 2018 os consumidores com consumo de energia médio igual ou superior a 500 kWh/mês podem optar por essa modalidade, de acordo com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica essa faixa de consumo abrange cerca de 4,5 milhões de unidades consumidoras.

Em 2019 o limite cai para 250 kWh/mês de consumo médio e a partir de 2020 não haverá limite mínimo.

Importante: A tarifa branca não se aplica aos consumidores inscritos na Tarifa Social (Baixa Renda) e iluminação pública.

 

A tarifa branca traz economia para o consumidor que consegue deslocar a maior parte do seu consumo de energia para o horário fora de ponta, onde a energia é mais barata. Clique aqui e descubra qual o horário fora de ponta, intermediário e ponta da sua concessionária.

Como exemplo vamos analisar as tarifas da Companhia Paranaense de Energia – COPEL da resolução homologatória 2255 de 20/06/2017 vigentes até 19/06/2018 para a classe residencial.

O gráfico da esquerda mostra a comparação entre a tarifa branca e a tarifa convencional nos dias úteis e o da direita a comparação nos sábados, domingos e feriados nacionais.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A conclusão é que a maior economia que um consumidor da COPEL pode obter com a mudança para tarifa Branca é de 15%, que é a diferença entre a tarifa convencional e a tarifa branca fora de ponta.

Na COPEL o horário fora de ponta é das 22h00 as 16h59, intermediário das 17h00 as 17h59 e das 21h00 as 21h59 e o horário de ponta é das 18h00 as 20h59.

Importante: No horário de verão os postos tarifários são adiantados em uma hora. 

O ideal, antes de optar pela tarifa branca, é fazer a análise do perfil de consumo com medições reais da carga efetiva ao longo do mês.

 

 

 

 

 

 

 

 

Agosto terá Bandeira Vermelha na Energia

A bandeira tarifária para o mês de Agosto de 2017 será vermelha (patamar 1), com custo de R$ 3,00 a cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos. Este é o patamar menor da bandeira vermelha. O fator que determinou o acionamento da bandeira vermelha no patamar 1 foi o aumento do custo de geração de energia elétrica.

Fonte: aneel.gov.br

 

Julho terá bandeira amarela

A bandeira para o mês de julho será amarela, com acréscimo de R$ 2,00 a cada 100 (kWh). O fator que determinou para o acionamento da bandeira amarela foi o aumento do custo de geração de energia elétrica. Segundo o relatório do Programa Mensal de Operação (PMO) do Operador Nacional do Sistema (ONS), o valor da usina térmica mais cara em operação é de R$ 237,71/MWh.

Fonte: aneel.gov.br