Em agosto, energia mais cara com bandeira tarifária vermelha.

Em 26/07/2019 a Agência nacional de energia elétrica (ANEEL) anunciou a aplicação da bandeira tarifária vermelha no mês de agosto, gerando um custo extra de R$4,00 para cada 100 kWh.

Segundo a ANEEL, a plicação da bandeira tarifária vermelha ocorre devido aos baixos níveis dos principais reservatórios do país e às previsões hidrológicas que apontam vazões abaixo da média histórica.

De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico, o sub sistema Sudeste/Centro Oeste apresenta o nível mais baixo (44,84%).

Dados: aneel.gov.br em 02/08/2019 e ons.org.br em 02/08/2019.

Energia mais cara, bandeira amarela em julho

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é BT_JULHO-2019_DESTAQUE.jpg
Em Julho de 2019 a bandeira tarifária será Amarela, o que indica um aumento de custo de R$ 1,50 a cada 100 kWh consumidos. Julho é um mês tipicamente seco nas principais bacias hidrográficas brasileiras, as previsões meteorológicas indicam chuvas abaixo da média para o período, oque deve agravar ainda a situação.

Dados: aneel.gov.br em 28/06/2019

Efi Energy Engenharia é Parceiro WEG – WE³

Em dezembro de 2018 a Efi Energy Engenharia e Consultoria Ltda firmou parceria com a  WEG Motores, como integrador de soluções de eficiência energética em motores elétricos, o programa lançado pela WEG recebeu o nome de WE³ e credenciou parceiros em todo Brasil para aplicar as soluções desenvolvidas ao longo dos anos pelo Centro de Negócios em Eficiência Energética – CNEE. Saiba mais.

Reajuste da Energia na Copel fica acima de 15 % em 2018

O reajuste tarifário da Copel Distribuição foi aprovado no dia 19/06/2018 pela ANEEL e passa a vigorar a partir de 24/06/2018.

O percentual do reajuste médio será de 15,99 %, sendo que para os grandes consumidores que são atendidos em alta tensão (indústrias, grandes comércios, clubes, universidades, etc) o reajuste médio será de 17,55 %, já para os consumidores que são atendidos em baixa tensão (residências e pequenos comércios) o reajuste médio será de 15,13 %.

Segundo dados do IBGE a inflação (IPCA) acumulada nos últimos 12 meses ficou em 2,76 %, ou seja, bem abaixo do reajuste da energia.

Segundo a ANEEL, para o cálculo do reajuste a Agência considera a variação de custos associados a prestação do serviço, aquisição e a transmissão de energia elétrica, bem como os encargos setoriais.

Para as indústrias, a solução para evitar estes reajustes altos na energia é aderir ao Mercado Livre de Energia clique aqui para entender como funciona e solicite uma avaliação sem custos pelo e-mail efienergy@efienergy.com.br.

Em Maio, energia mais cara com a Bandeira Amarela

Em Maio de 2018 a bandeira tarifária será Amarela, o que indica um aumento de custo de R$ 1,00 a cada 100 kWh consumidos. Acabou o período de chuvas e os reservatórios estão com volumes baixos, sendo necessário o acionamento de térmicas. Os reservatórios do Sudeste/Centro Oeste estão com 44,25% da capacidade máxima, Nordeste com 40,49%, Norte com 68,65% e Sul com 65,45%.

Dados: aneel.gov.br em 30/04/2018 e ons.org.br em 26/04/2018.

O que é Tarifa Branca e quais o benefícios da mudança

A tarifa branca é a nova opção de tarifação de energia elétrica para consumidores de baixa tensão, que diferencia o valor unitário da energia (R$/kWh) de acordo com o horário de utilização.

A partir de janeiro de 2018 os consumidores com consumo de energia médio igual ou superior a 500 kWh/mês podem optar por essa modalidade, de acordo com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica essa faixa de consumo abrange cerca de 4,5 milhões de unidades consumidoras.

Em 2019 o limite cai para 250 kWh/mês de consumo médio e a partir de 2020 não haverá limite mínimo.

Importante: A tarifa branca não se aplica aos consumidores inscritos na Tarifa Social (Baixa Renda) e iluminação pública.

 

A tarifa branca traz economia para o consumidor que consegue deslocar a maior parte do seu consumo de energia para o horário fora de ponta, onde a energia é mais barata. Clique aqui e descubra qual o horário fora de ponta, intermediário e ponta da sua concessionária.

Como exemplo vamos analisar as tarifas da Companhia Paranaense de Energia – COPEL da resolução homologatória 2255 de 20/06/2017 vigentes até 19/06/2018 para a classe residencial.

O gráfico da esquerda mostra a comparação entre a tarifa branca e a tarifa convencional nos dias úteis e o da direita a comparação nos sábados, domingos e feriados nacionais.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A conclusão é que a maior economia que um consumidor da COPEL pode obter com a mudança para tarifa Branca é de 15%, que é a diferença entre a tarifa convencional e a tarifa branca fora de ponta.

Na COPEL o horário fora de ponta é das 22h00 as 16h59, intermediário das 17h00 as 17h59 e das 21h00 as 21h59 e o horário de ponta é das 18h00 as 20h59.

Importante: No horário de verão os postos tarifários são adiantados em uma hora. 

O ideal, antes de optar pela tarifa branca, é fazer a análise do perfil de consumo com medições reais da carga efetiva ao longo do mês.

 

 

 

 

 

 

 

 

Energia mais barata com a Bandeira Verde em Janeiro

A bandeira tarifária para o mês de janeiro de 2018 será verde, ou seja, sem custo para os consumidores. O acionamento dessa cor indica condições favoráveis de geração hidrelétrica no Sistema Interligado Nacional. Mesmo com a bandeira verde é importante manter as ações relacionadas ao uso consciente e combate ao desperdício de energia elétrica.

Fonte: aneel.gov.br

ANEEL define que Bandeira Tarifária em Dezembro de 2017 será Vermelha no Patamar 01

 

 

 

Com custo de R$ 3,00 a cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos, dezembro de 2017 será mais um mês com bandeira tarifária vermelha, porém no patamar 1 que indica uma pequena melhora na situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas em relação ao mês de novembro onde a agência acionou a bandeira vermelha no patamar 2 o mais alto da escala.

As bandeiras tarifárias variam exatamente para dar esse sinal aos consumidores. A vermelha indica a necessidade de operar usinas térmicas mais caras para compensar a geração hidráulica inibida pela falta de chuvas.

Fonte: aneel.gov.br